sábado, 26 de março de 2011

Serrão retira maioria a Sócrates também no Continente


Serrão, além de ter protagonizado a primeira candidatura de um madeirense à liderança nacional de um partido, e ter arrasado na Madeira, impedindo o regresso dos mortos vivos e ter impedido o regresso da múmia, retirou a maioria a Sócrates no Continente, numa secção, o Seixal onde obteve 35%. Imagina que, para além de ser candidato por força estatutária, aliás, regimental a Secretário-Geral, tinha assumido políticamente a candidatura.

quinta-feira, 24 de março de 2011

A Santa Aliança PPD/CDS/BE/VERDES/PCP DERRUBOU O GOVERNO DO PS

É bom lembrar: pela segunda vez na história da Democracia portuguesa a esquerda e a direita uniram-se para derrubar um governo do PS. A 1ª vez,em 1977

AJJ tem razão.'Tá tudo louco.Ontem o PSD votava contra o PEC porque não era preciso mais hoje aumenta os impostos porque não sabe como as coisas estão

Alemanha não consegue colocar toda a dívida que pretendia

O Tesouro alemão não conseguiu atrair interesse nos mercados pela totalidade dos 4 mil milhões de euros em obrigações com maturidade a 30 anos que colocou esta manhã à venda, de acordo com a dados oficiais citados pela agência Bloomberg.

alea iacta est: PPC Primeiro-Ministro, Albuquerque, Ministro, Bruno Pereira, Presidente CMF; grave conflito insititucional e financeiro Lisboa/RAM

quarta-feira, 23 de março de 2011

PPC diz que quer um campanha limpa: não vou chamá-lo nem mentiroso nem aldrabão nem feito com os poderes, embora isso se vá saber brevemente

Eleições: recomendo à ERC que não deixe nem de longe acontecer a nível nacional o que acontece na Madeira

Parece, afinal, que Sócrates se demitirá mesmo. MFL acaba de insinuar um governo de iniciativa presidencial


Ao dizer que os deputados, o parlamento, poderiam resolver a crise.

Alemanha não consegue colocar toda a dívida que pretendia

O Tesouro alemão não conseguiu atrair interesse nos mercados pela totalidade dos 4 mil milhões de euros em obrigações com maturidade a 30 anos que colocou esta manhã à venda, de acordo com a dados oficiais citados pela agência Bloomberg.

Hoje não é o dia D. A peça de teatro ainda não acabou: Sócrates não se demite


Ainda não vamos ver hoje o último acto da peça de teatro em que se transformou a situação política. Supondo que o PEC é rejeitado - teoricamente ainda pode acontecer um golpe de teatro, se não houver votos cruzados - Sócrates, que nunca usou a palavra demissão, vai a Belém expor a situação política em que o Governo fica mas não se demite. E até pode acontecer que se disponibilize para dialogar com todos, num exercício de desgaste da Oposição. Significativo também é o recuo da Comissão Europeia, a dizer que este PEC não está fechado.

terça-feira, 22 de março de 2011

Origem do terramoto do Japão: teoria conspirativa

HAARP vs JAPÃO

PEC - Passos de Entrada de Coelho

Alteração de um amigo meu.

Mário Soares diz que Cavaco Silva não “pode sacudir a água do capote”

Mário Soares, ex-Presidente da República, pediu a Cavaco Silva que intervenha no Parlamento, chamando os partidos a Belém, por forma a evitar a "catástrofe anunciada".

Governo presidencialista depois de Sócrates e em vez de eleições

A crise política poderia ter sido evitada se tivesse havido maior consenso quanto a este PEC?
Já há bastante tempo que penso que, dada a gravidade do problema com o qual Portugal está confrontado, só teríamos vantagem em pôr de pé uma fórmula política com maior apoio parlamentar. Mas a necessidade de um quadro político mais vasto para negociar o acesso ao fundo vai impor-se logo a seguir à cimeira e muito possivelmente antes das eleições.

Está a defender um governo de carácter presidencialista até às eleições?


Não tenho dúvida em afirmar que o Presidente da República tem uma responsabilidade-chave a desempenhar num contexto como este. No quadro político actual, a construção de uma base governativa com mais de um partido é premente. E só ele pode fazer esse trabalho.

Passos interpreta mal o PEC e julga que é Plano de Entrada do Coelho

O PEC IV EM PDF

Aqui tem o PEC em PDF e as principais medidas do dito, que inclui, e muito bem, poupança induzida na Função Pública.

PEC: Crédito habitação perde benefícios fiscais
PEC: Governo prevê petróleo acima dos 105 dólares até 2014PEC: Esquema de poupança para funcionários públicos
PEC: Governo vai rever listas anexas ao Código do IVA
PEC: Aumento «moderado» nas pensões mais baixas
PEC: Taxa de desemprego em 11,2% este ano
PEC: Governo antecipa privatizações
PEC: Governo espera juros nos títulos de dívida a longo prazo acima dos 6,5% até 2014
PEC: Reorganização da rede escolar para poupar 450 milhõesPEC: Reforma na Justiça para poupar 60 milhões

- O Executivo propõe a quem recebe rendimentos do Estado a adesão voluntária para um esquema de poupança. A intenção do Executivo é «simplificar e facilitar a poupança» e «torná-la o mais acessível possível». Para isso, propõe que as famílias sejam incentivadas «à vinculação ao denominado 'Plano de Auto-Poupança Individual'».

domingo, 13 de março de 2011

Bloco quer renegociar parcerias público privadas. E tem todo o meu apoio

As eleições antecipadas são inevitáveis. E serão antes do verão



Depois de PPC anunciar que não apoia o novo PEC, de PP anunciar que vai levar o PEC a votação na AR, Francisco Assis vem dizer que o PS deve refletir sobre a nova situação. As eleições são inevitáveis.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Geração fantástica

Se realmente quisermos mostrar que é possível fazer melhor, só há uma forma: fazendo melhor.

Qual JMC, qual Santana Lopes, quais homens da luta, qual geração à rasca: o populista-mór é Cavaco Silva


José Manuel Coelho, Pedro Santana Lopes, Os homens da Luta, os organizadores da manifestação da geração à rasca são uns aprendizes em termos de populismo à vista de Cavaco Silva.o populista-mór deste país, desde o tempo (1987) em que dizia que era preciso votar nele para poder pagar a prestação do frigorífico.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Protesto da Geração à Rasca

Vídeo do protesto

Manifesto da Geração à Rasca

Sábado, 12 de Março, às 15h
Local – Av. da Liberdade, Lisboa


Nós, desempregados, “quinhentoseuristas” e outros mal remunerados, escravos disfarçados, subcontratados, contratados a prazo, falsos trabalhadores independentes, trabalhadores intermitentes, estagiários, bolseiros, trabalhadores-estudantes, estudantes, mães, pais e filhos de Portugal.
Nós, que até agora compactuámos com esta condição, estamos aqui, hoje, para dar o nosso contributo no sentido de desencadear uma mudança qualitativa do país. Estamos aqui, hoje, porque não podemos continuar a aceitar a situação precária para a qual fomos arrastados. Estamos aqui, hoje, porque nos esforçamos diariamente para merecer um futuro digno, com estabilidade e segurança em todas as áreas da nossa vida.
Protestamos para que todos os responsáveis pela nossa actual situação de incerteza – políticos, empregadores e nós mesmos – actuem em conjunto para uma alteração rápida desta realidade, que se tornou insustentável.
Caso contrário:
a) Defrauda-se o presente, por não termos a oportunidade de concretizar o nosso potencial, bloqueando a melhoria das condições económicas e sociais do país. Desperdiçam-se as aspirações de toda uma geração, que não pode prosperar.
b) Insulta-se o passado, porque as gerações anteriores trabalharam pelo nosso acesso à educação, pela nossa segurança, pelos nossos direitos laborais e pela nossa liberdade. Desperdiçam-se décadas de esforço, investimento e dedicação.
c) Hipoteca-se o futuro, que se vislumbra sem educação de qualidade para todos e sem reformas justas para aqueles que trabalham toda a vida. Desperdiçam-se os recursos e competências que poderiam levar o país ao sucesso económico.
Somos a geração com o maior nível de formação na história do país. Por isso, não nos deixamos abater pelo cansaço, nem pela frustração, nem pela falta de perspectivas. Acreditamos que temos os recursos e as ferramentas para dar um futuro melhor a nós mesmos e a Portugal.
Não protestamos contra as outras gerações. Apenas não estamos, nem queremos estar à espera que os problemas se resolvam. Protestamos por uma solução e queremos ser parte dela.

Cavaco começa a dar os primeiros passos para a Vitória do PS em 2015


A Direita anda eufórica. O discurso de Cavaco foi o de um líder de facção, não pelo que disse mas pelo tom com que disse e pelo que não disse (ignorou a crise internacional). A Direita vai ter o que sempre quis: uma maioria, um governo um presidente. Vamos ver a sua verdadeira face. A esquerda à esquerda do PS anda assustada. Uma dinâmica de bipolarização prejudica-a. Cavaco começou um segundo mandato muito envolvido com a sua família política mas pode ter que deixar o palácio de Belém com o País de novo entregue a um governo do PS.

Cavaco: um discurso tomba-governos como já não se via desde os tempos de Eanes; um discurso anti-governo como nunca se viu numa tomada de posse

segunda-feira, 7 de março de 2011

Gabriel Drumond é um bom conversador com quem tenho o prazer de uma bom bate-papo

Palavras de ordem (sloganes, para os neoliberais): «Nem Capitalismo de fachada democrática, nem ditadura de fachada Socialista»

Este chavão foi retirado daqui (aos 26 segundos).

E havia outros chavões que os neoliberais desconhecem:

Nem capital nem ditaduras
nem monopólios nem torturas
a vitória d'uma vontade
Socialismo em Liberadade!

Paulo, renegas ao neoliberalismo e ao males que trouxe ao sistema financeiro, à economia, aos direitos sociais, às nações e ao projecto europeu?

O Capitalismo ou é desregulado ou não é capitalismo: não há capitalismo regulado

Não é pelo capitalismo desregulado ter levado a uma crise financeira que o sistema está errado e deve ser abandonado.

Paulo, tu és de Esquerda?

A resposta é ínvia e não chega. Paulo, crês no Socialismo?

É óbvio, claro e nítido que há uma campanha da formiga branca contra José Manuel Coelho que abrange vários sectores políticos tacitamente convergentes

Honestamente, para prosseguir o debate, que, finalmente, propões, pergunto, Paulo Barata: acreditas que o Socialismo é a solução para Portugal, hoje?

Sejamos honestos, e isso implica sermo-lo connosco próprios. Eu acredito que o Socialismo é a solução, sempre acreditei. E, por isso, sempre militei pelo PS, desde 1974, e hoje, desde 1996, inscrito no PS, coisa burocrática que não me condiciona, apenas me responsabiliza. E tu, Paulo Barata, estando inscrito num partido que se identifica como socialista, acreditas que o Socialismo é a solução? É um pergunta clara, que dever ter um resposta clara, para prosseguirmos a discussão. E, também muito honesta e claramente, e não é uma acusação pessoal, mas uma questão política, devo dizer-te, e tu confirmarás ou infirmarás, não acredito que tu vejas o Socialismo como solução. Aguardo a resposta para prosseguirmos o debate, sem chavões e sem acusações pessoais, que, aliás, não fiz - nem me parece que o hajas feito. Quanto à questão do neoliberalismo, deduzo dos teus escritos, e deduzo bem ou deduzo mal, que, ou não o vês como problema ou, mais ainda, te identificas mais com ele do que com o Socialismo. Portanto, responde às questões, objectivamente, e não te vitimizes, não interessa. E, intelectualmente, não colhe.

domingo, 6 de março de 2011

História do PS para os que a não conhecem e estão inscritos mas não não militam na causa do socialismo

Esclareça-se aqui

A Internacional Socialista: para assustar os neoliberais infiltrados no PS

Ouça de pé, de punho erguido!

Blackout: quem mandou calar Paulo Barata?

Olha para que server e porque é que há cortes nos salários dos FP's: Grupo de trabalho custou 209 mil euros e reuniu-se uma vez em 14 meses

Grupo de trabalho custou 209 mil euros e reuniu-se uma vez em 14 meses
Por José António Cerejo

Cinco pessoas, incluindo três ex--directores regionais de Cultura, dizem que não tiveram condições. MC acusa-as de "improdutividade"

Moção de Serrão provoca ponte aérea Lisboa-Madeira. Há ministros que até já sabem que a nossa capital é o Funchal. Quanto mais não fosse valeu a pena.

País precisa de líder corajoso
Correia de Campos diz que Sócrates está preparado para enfrentar desafios

sábado, 5 de março de 2011

«A crise não se resolve com chavões»

E não se chega lá com retórica marxista-leninista do Séc. XIX

Vou publicar o texto na íntegra. Considero-o uma texto de antologia de como não se deve apoiar os nossos.

O texto seguinte foi publicado no blogue Farpas, assinado por Paulo Barata, e fica aqui como texto de antologia de como alguns textos de apoio se transformam em libelos de acusção contra os apoiados. Publico aqui o texto, antes que alguém da Moção de José Sócrates o mande retirar de circulação por razões óbvias. Desde já, esclareço que não me revejo nas críticas violentas ínsitas no texto contra a governação de Sócrates, que, em geral, considero de serviço ao país, não obstante algumas opções que são, em grande parte, fruto da actual conjuntura europeia e neoliberal, que, nós socialistas, temos rapidamente de ultrapassar com base em soluções do socialismo democrático. Consiero ainda que as críticas que vi neste texto são o corolário de um ensino que está dominado pelos teóricos do liberalismo, sobretudo nas faculdades de Economia, mas igualmente em outras, incluindo o Direito.

A crise não se resolve com chavões
A crise económica e financeira portuguesa é culpa do "neo-liberalismo"?
Portugal vive em estagnação económica há, pelo menos, uma década. De facto, de 2000 a 2010:

• registamos um crescimento económico anémico, sempre divergente com a média europeia;
• aumentamos a dívida pública e o endividamento externo exponencialmente e a níveis insustentáveis;
• mantivemos um Estado pesado, burocrata e gastador; e
• houve constante instabilidade política;

A economia portuguesa é um sistema aberto ao exterior que, naturalmente, está exposto a choques externos. Os sistemas abertos a choques não podem ser rígidos, têm de flexibilidade suficiente para absorver os choques, sem partirem.

Portugal abriu mão da única variável manipulável (taxa de câmbio) com a entrada no euro, e aumentou a sua despesa corrente e a sua dívida externa. E, por outro lado, não foi capaz de fazer reformas estruturais na Justiça, Saúde, Educação, Administração Pública e Mercado de Trabalho. Este modelo era insustentável e partiria ao primeiro choque. Com a crise financeira global, os mercados importadores diminuíram as encomendas a Portugal e os juros da dívida pública – que tinham diminuído espectacularmente com a entrada no euro – voltaram a registar um aumento.
Ora, como fica demonstra supra, a crise financeira internacional está a ter um impacto muito maior em Portugal porque não fomos capazes de fazer as reformas estruturais necessárias para tornar o país mais flexível e competitivo. E não porque tivemos "mais mercado" ou mais "neo-liberalismo", foi exactamente o contrário, tivemos sempre mais Estado, mais pesado, gastador, burocrata e ineficiente.
É verdade que desde 2005, demos passos de gigante no combate à burocratização e no investimento no conhecimento, na investigação e desenvolvimento, e houve uma tentativa de racionalizar alguns gastos e aumentar a eficiência. Mas as reformas vieram tarde e, em alguns casos como na Educação e na Justiça, foram demasiado tímidas.
A análise política e económica e a procura de soluções para os problemas actuais que enfrentamos não se podem fazer de forma leve, socorrendo-se de velhos chavões ideológicos e recorrendo a velhas ideologias que se provaram erradas. Sejam elas o liberalismo, da Escola Austríaca, tão em voga nos anos 80, ou ao marxismo que se julgava enterrado com a queda do Muro de Berlim. Os problemas actuais têm de ser analisados de forma realista, sem os coletes de força das ideologias rígidas que marcaram os anos 60, 70 e 80. Para diagnosticar os problemas, temos de identificar o que realmente está na sua origem. E para encontrar soluções teremos de nos perguntar qual é a melhor solução para o nosso projecto de vida comum, enquanto sociedade que se quer harmoniosa, solidária e confiante. Portanto, a solução poderá passar, algumas vezes, por uma maior intervenção do Estado e noutras por uma maior participação dos privados. O Estado tem de assegurar que o interesse comum da sociedade está salvaguardado e que encontrou a forma mais eficaz e eficiente de garantir o Estado-Providência. Esse é o grande desafio. E não se chega lá com retórica marxista-leninista do Séc. XIX, de “a culpa é dos burgueses” como um uma ligeira modernização do chavão para a “culpa é do neo-liberalismo”.

A culpa não é do neoliberalsimo?Então é de quem?Do Estado Social:mas, afinal, de que terra és?Com apoiantes deste,Sócrates nem precisa de adversários!

O tempo do marxismo-leninismo para os que se perderam pelos séculos dos séculos, amen!

O termo leninismo ou marxismo-leninismo é utilizado para designar a corrente política surgida pelo rompimento político com o economicismo da social democracia européia no começo do século XX.

Afirmações de índole marxista leninista do Camara Sócrates deixam os neoliberais que se confundiram na sua moção de pé atrás

O Camarada José, não o Joseph Stalin, mas o Sócrates, disse isto. Não no século XIX mas ontem. Que dirão a isso os neoliberais que o confundiram com a direita ultra neoliberal?

"Não há alternativa ao Serviço Nacional de Saúde."

o primeiro-ministro lançou-se num exercício de elogios sistemáticos ao SNS, "o único - disse - que pode proporcionar igualdade, equidade e dignidade da vida humana".

Se pensam que há uma bala mágica que vai resolver tudo, colocando o Serviço Nacional de Saúde na mão de privados, pura e simplesmente ignoram que o único país [Estados Unidos] que não tem Serviço Nacional de Saúde é aquele que gasta mais em saúde e, pior do que isso, é que o Presidente quer criar lá um Serviço Nacional de Saúde" (O Camarada José atacou o sistema de saúde americano, das seguradoras que deixam morrer os doentes para não baixar os resultados que dão bons dividendos aos gestores que criaram a bolha neoliberal, que deu a crise americana, que chegou à Europa, que obrigaram o camara José a cortar no meu salário? Francamente! Já não pode um neoliberal estar descansado em Luanda a mandar bitaites de Sul para para Norte! Isso não se faz, camarada José!).


"O que nós temos visto ao longo dos últimos anos é que os custos da saúde no sector público até têm sido pouco, enquanto os custos privados de saúde têm sido muito mais. É por isso que não há alternativa ao SNS. (Credo, camarada José, isto é marxismo-leninismo do século XIX. A propósito, ma
rxismo-lenismo no século XIX? Que anacronismo!). Leituras à pressa dá nisso!

sexta-feira, 4 de março de 2011

E este, chegou a conhecer?




Ouviu falar.

E Owen?E Saint Simon? E Proudhon, Leroux, Babeuf? E Fourrier? Ou mesmo Leão XIII? Conhece? Não, só ouviu falar vagamente de Marx, Lenin. Trotsky? Nah!

Sloganes do marketing neoliberal:

E não se chega lá com retórica marxista-leninista do Séc. XIX.

O que dizem os apoiantesda Moção de Sócrates sobre a sua governação

Ora, como fica demonstra supra, a crise financeira internacional está a ter um impacto muito maior em Portugal porque não fomos capazes de fazer as reformas estruturais necessárias para tornar o país mais flexível e competitivo.

Os adversários do PS dizem que a última década foi uma década perdida. Há apoiantes da Moção de Sócrates que não se importam de os citar

Portugal vive em estagnação económica há, pelo menos, uma década. De facto, de 2000 a 2010:

· registamos um crescimento económico anémico, sempre divergente com a média europeia;
· aumentamos a dívida pública e o endividamento externo exponencialmente e a níveis insustentáveis;
· mantivemos um Estado pesado, burocrata e gastador; e
· houve constante instabilidade política;

Até agora não tenho nenhuma crítica a fazer à Moção de José Sócrates. Não a conheço.

O segredo mais bem guardado do debate interno: a moção de José Sócrates. Ninguem sabe, ninguém a mostra, ninguém a viu.

A vulgata neoliberal

E, por outro lado, não foi capaz de fazer reformas estruturais na Justiça, Saúde, Educação, Administração Pública e Mercado de Trabalho. Este modelo era insustentável e partiria ao primeiro choque. Com a crise financeira global, os mercados importadores diminuíram as encomendas a Portugal e os juros da dívida pública – que tinham diminuído espectacularmente com a entrada no euro – voltaram a registar um aumento.

Sophia

Apesar das ruínas e da morte,
Onde sempre acabou cada ilusão,
A força dos meus sonhos é tão forte,
Que de tudo renasce a exaltação
E nunca as minhas mãos ficam vazias.

Os grandes problemas estruturais de Portugal começaram durante o Cavaquismo. Não há dez anos. Os cripotocavaquistas,neoliberiais que são,não o detetam

Mário Soares: «é preciso cortar a despesa». É óbvio que é socialista. PPC: «É preciso cortar a despesa». É óbvio que é liberal

Algum apoiante de Sócrates sabe onde é que se pode encontar a moção dele? É que nem ele a discute nem a gente sabe onde encontrá-la.

Também queria lançar a minha petição mas não me ocorria. Mas já sei. Petição contra a Avenida do Mar. Queremos o calhau de volta!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Esta crise é a crise do neoliberalismo. Haverá p'rá i algum neoliberal que discorde?



E dizia o prègador na quinta-feira santa:
- Irmãos, vede bem o poder desse Cristo. Com milhares de pães matou a fome a doze pessoas.
O sapatairo, que estava na primeira fila, disse:
- Grande façanha. Isso eu também fazia.
No ano seguinte, o padre não trocou os dados.
- Irmãos, vede bem o poder desse Cristo. Mas vede bem. Com doze pães matou a fome a milhares de pessoas. Haverá p'rá i algum sapateiro que discorde?
- Muito obrigado! C'o resto que ficou do ano passado - rematou o sapateiro.
Parece que há p'rá i quem não perceba que a crise é consequência dos restos que os especuladores deixaram à economia e aos trabalhadores.

terça-feira, 1 de março de 2011

Eu fui ao jardim da Celeste, giroflé, giroflá: os adversários do aterro não tinham outro lugar para irem brincar ao jogo do lenço senão ali?



Aquilo, uma manifestação? E eu a pensar que tínhamos chegado ao Cairo! Cá p'ra mim parecia-me que estavam a brincar ao jogo do lenço. De mão dada, só faltou mesmo cantarem o giroflé, giroflá

Calem-se

Li esta semana num semanário nacional a estranha notícia de que “os sinais de que a intervenção do FMI em Portugal pode estar iminente avolumaram-se esta semana e são cada vez mais as vozes que consideram inevitável um pedido de ajuda externa. A Oposição está convencida de que José Sócrates não sobreviverá a tal intervenção mas, ainda assim, o líder do PSD resiste a apresentar uma moção de censura ao Governo. Passos Coelho, que já disse que «o eventual recurso ao FMI não pode deixar de ter consequências políticas», acredita que, no momento em que tal acontecer, Sócrates deixará de ter condições para continuar a liderar o país, sobretudo porque perderá a credibilidade externa. E, argumenta fonte próxima do líder social-democrata, «essa quebra de confiança só se resolverá com eleições». Sem querer abrir o jogo, Passos Coelho acredita que há outras vias, cuja iniciativa não depende exclusivamente do PSD, que podem ditar a saída de Sócrates e a antecipação de eleições. Para já, as expectativas estão todas voltadas para o Conselho Europeu de 24 de Março”.
Basicamente o que é preciso dizer é que a vinda do FMI ou de qualquer outra forma de apoio externo, tem responsabilidades e responsáveis, que devem ser identificados, denunciados e julgados pelo povo. Uma das primeiras exigências que o povo teria que fazer, nas ruas, era essa exigência, a de ver divulgada a verdade incluindo a explicação para fortunas acumuladas ao longo destes anos. Como é que o povo depois julga? Pelo voto e, se necessário for, se a impunidade, nessas circunstâncias se mantiver, com recurso a outros meios que obviamente tem ao seu dispor. Uma coisa é certa: os causadores desta situação não podem sair por cima, como se nada fosse com eles. Depois constata-se que há pessoas, particularmente políticos e banqueiros, que deveriam ter mais respeito pelos cidadãos e seriedade nas suas declarações, pois em vez de andarem apenas a empolar a importância do FMI na pretensa normalização das contas públicas (já agora, e excluindo os bancos que encheram as panças vazias por uma crise da qual eles foram os principais causadores, que outros resultados palpáveis concretos tem acontecido na Irlanda e sobretudo na Grécia, pese a presença do FMI e do fundo europeu de resgate?!) andam a esconder o outro lado (há sempre o reverso da medalha…) e a enganar as pessoas acerca do real impacto nos cidadãos e nas empresas dessa presença do FMI ignorando os aspectos negativos, e que socialmente terão impactos dramáticos, para valorizarem apenas as questões que se relacionam com a imposição das normalidade na gestão das contas públicas.
Basicamente o que querem os apologistas do FMI? Que o governo socialista de Lisboa seja envergonhado (e será que isso dá garantia de ser derrotado nas urnas?) independentemente do facto do povo ser obrigado a sofrer ainda mais restrições e privações com a execução de rigorosos planos de recuperação das contas públicas que terão que ser feitos à custa da redução da despesa e de sacrifícios generalizados? Mas de que serve tudo isso? Será que os apologistas do FMI acham chique, particularmente no alimentar das suas caganças individualistas e sectariamente nojentas, que basta “endireitar” as contas públicas e tudo se resolve? E a pobreza crescente? E os mais de 800 mil desempregados em Portugal? E os mais de 16 mil desempregados na Madeira? E os milhares de jovens licenciados que não encontram saídas profissionais? E as falências e os níveis de endividamento das empresas? E o endividamento das famílias a atingir valores dramaticamente preocupantes? E o poder de compra que tem sido reduzido a quase nada graças ao aumento da carga fiscal? Vai o FMI parir empregos com um estalar de dedos ou reduzir impostos de um dia para outro? Mas afinal estamos a falar de quê? Das queixas dos banqueiros e da banca que são hoje as instituições mais desavergonhadas, e as que mais lucram com a desgraça alheia e com a crise que provocaram, motivadas pela ganância do lucro fácil para os seus exigentes accionistas? Por acaso os baços julgam que não lhes está reservado nada se isto cair no caos? O que me confunde e intriga – sobretudo quando julgo que estamos entre gente séria – é que os apologistas do FMI escondam, o outro lado desta história deliberadamente mal contada, para enganar as pessoas, as exigências de rigor indiscriminado, dos sacrifícios que inevitavelmente terão que ser aplicados. Por acaso alguém acredita que a Madeira, por exemplo, tal como todas as regiões, mas cada um que se preocupe com a sua, não vai sofrer com a entrada do FMI, que não passará por dificuldades graves com consequências difíceis de imaginar? Alguém duvida que o Estado social, demagogicamente agitado por tantos, estoira no dia em que o FMI entrar neste país? Alguém duvida que isso vai gerar um choque que colocará em causa muita coisa e não apenas os vícios e as habilidades que, essas sim, deveriam ser combatidas internamente, sem ajuda externa, e não são? Por acaso já se esqueceram que a entrada do FMI não se limitará ao Continente, nem às empresas públicas falidas, mas abrangerá todo o país e que o principal problema das regiões autónomas é financeiro e orçamental? E que indirecta ou directamente o sector privado vai sofrer com essa política de rigor e de restrição que inevitavelmente será imposta ao nosso país, pois o FMI rege-se por objectivos e por calendários, não por discursos políticos idiotas nem habilidades que apenas servem para manter uma estrutura administrativa empolada, factos que poderiam ter sido resolvidos sem ajuda externa, mas que persistem porque servem para alimentar muita coisa? Já reflectiram seriamente sobre tudo isso?
O FMI, ou seja lá quem ver por aí dentro está-se borrifando para a gritaria política ou para as reivindicações sejam de quem for, pois limitar-se-á a aplicar programas rigorosos de controlo das contas públicas, assentes, inevitavelmente, na redução drástica de despesas públicas, em mais cortes dos salários, de benefícios sociais e outros, no emagrecimento forçado da estrutura do aparelho de Estado (e que tem que ser uma realidade no País e na região, pois é insuportável continuar com este modelo), no questionamento ou mesmo cancelamento de parcerias público-privadas as quais, montadas e aproveitando-se da falta de meios financeiros do Estado mais não são que actos de roubalheira descarada do erário público e dos contribuintes, etc. E depois? Todos aqueles que queriam o FMI porque é chique, emigram para viverem à custa do que roubaram? Não, o que o povo tem que exigir, se o FMI um dia entrar por aí é que sejam realizadas auditorias, recuando no tempo o que for necessário, para que se apurem responsabilidades e se não identifiquem todos os esquema se protagonistas da corrupção que tem delapidado o país, graças à corrupção e ao gamanço que contou sempre com cumplicidades e conivências que não podem passar impunemente ao lado de uma crise que eles próprios, todos deles, sem excepção, também geraram.
Por isso, se querem tanto o FMI, que ele venha. Paguem-lhe até viagem e estadia. Mas com o FMI, vamos também ajustar contas com o passado, nem que seja à força. Porque o povo pode sofrer temporariamente de memória curta. Mas haverá sempre alguém que a avive. E depois, caso as respostas não sejam dadas e a verdade denunciada, então no tempo próprio, nos lugares adequados e com as formas necessárias, certamente que os cidadãos saberão dizer bem alto que não são reféns de politiquices e de gente mesquinha e que recusam ser pessoas do tipo “come-e-cala”, como a maioria dos políticos portugueses julgam que eles são.

http://ultraperiferias.blogspot.com