quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Desmentindo boatos



Ao contrário do se diz, não se chegou a formar um governo sombra no interior do PS alternativo ao «Governo» que já é público. Houve um esboço nesse sentido, mas não chegou a concretizar-se, embora já houvesse nomes indigitados para determinadas pastas.

A polémica entre LFM e AE

1. LFM escreve um texto, no JM, supostamente dirigido a alguém, que, obviamente, não subscrevo.
2. AE criticou o artigo e LFM redarguiu.
3. O que tenho a dizer sobre o assunto, além de não subscrever o artigo, é que sei o que é ser insultado anónima e covardemente. Fui-o na blogosfera quando fui para a vice-presidência da ALR. E fui-o na plataforma digital. Quer num caso quer noutro, os insultos e as calúnias vieram de dentro do próprio PS. E identifiquei, em dois casos, quem era por que eram pessoas que usaram de informação a que só elas tinham acesso. E mais não digo.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Comunidades Autónomas, no caso, Múrcia, renunciam às competências na Saúde e na Educação

Julgo que não é necessário renunciar às competências, o que é necessário é reformular o sistema de impostos entre o Estado Central e o Estado Autonómico, cabendo àquele a Saúde e a Educação e cabendo a este, aos seus habitantes, comparticiparem, patrioticamente, nas questões e sustentação da Soberania.

Carta do indigitado Secretário da Saúde de um Governo socialista ao Presidente do PS

Envio-lhe esta carta aberta porque penso que existe limites para tudo!! Antes de mais, e para que não lhe restem dúvidas, deixe-me apresentar. O meu nome é Rui Torres de Oliveira e fiz parte, embora por pouco tempo devido a ter emigrado do pais, do secretariado do partido no tempo do seu antecessor. Devido à minha actividade profissional e académica encontro-me fora da região por tempo indeterminado. De qualquer forma, tenho tentado acompanhar o que se passa no pais e em especial na Região que me acolheu e à qual me sinto ligado e onde tenho a única residência em Portugal, embora seja natural do Porto.
(...) Acha o meu Camarada que o Povo é estúpido, burro ou ignorante? Imagino que sim!! Porque de outro modo não faria o que tem feito nos últimos tempos e não se punha a jeito para lhe chamarem "troca tintas"!!!
Deixe-me dizer algo que aprendi ainda nos bancos do liceu - todos os Homens são seres pensantes. Todos os Homens têm direito a uma voz e a um pensamento. Nem todos os Homens têm direito a um acto livre, mas todos têm direito a pensamentos livres! Certamente não sabia nem tinha nunca reflectido sobre isto, mas é mesmo verdade, acredite...
Na Madeira, infelizmente, as pessoas não são livres de actos, mas são livres de pensamentos e serão sempre livres no seu direito ao voto que é secreto e faz parte não do acto mas do pensamento.
Perguntar-me-á porque é que o PS ainda não ganhou nenhuma eleições na Madeira quando existe um PSD indescritível e abominável? A resposta encontrará quando se levantar de manhã e se vir ao espelho meu caro Camarada. Sim, porque é com dirigentes como o meu caro Camarada que levam o partido a perder e não o PSD a ganhar e a diferença não é sintética mas sim absoluta.
Como é possível de um passado de tantas derrotas como todas as que teve e em especial esta última e continuar a ocupar o lugar que ocupa? Como é possível não existir um mínimo de visão estratégica e linha orientadora para hoje ser branco, amanhã amarelo e no dia seguinte azul? (...) Veja o geral e esqueça o particular. Tente sair desse constrangimento intelectual que vive e perceba o que as pessoas querem, precisam e identificam num verdadeiro Líder!! Tente... Esforce-se... e se não conseguir... Já sabe... Siga o meu conselho e arranje uma profissão onde faça mais e melhor do que a que tem... porque se não vai acabar a fazer parte do próximo flagelo da Região - o despedimento...
(...) E não se esqueça, o Povo da Madeira é formado por Homens, pensantes, inteligentes, sonhadores e livres na hora do voto!
Nota: O lugar que ocupa é daqueles lugares que não vai lá com segunda tentativas, mas aí foram os militantes os culpados... Leve lá um abraço e se tiver dúvidas pode mandar dizer porque estou aqui para o ajudar a se encontrar...

Pausa para reflexão



1. Nunca o PSD disputou umas eleições em tão grande dificuldade como estas. Contudo, essas notórias dificuldades não correspondem a facilidades por parte do maior partido da Oposição. E porquê? Esta oportunidade histórica para a Oposição vai ser perdida. Quem são os responsáveis?
2. As lideranças do PS devem ter a responsabilidade de estar em condições de preparar o PS para disputar eleições para ganhar. Para isso, é preciso que os líderes do PS possam estar em condições de responder afirmativamente a esta pergunta: tem as condições necessárias para ser Presidente do Governo?
3. Em consequência, qualquer candidato a líder do PS deve responder a esta pergunta dos cidadãos: está preparado para disputar umas eleições a Presidente do Governo? Se a resposta for não, não se candidate. Por exemplo, no último Congresso do PS, os dois candidatos, incluindo aquele cuja candidatura apoiei, não preenchiam essa condição. (E quem é que disse que eu sou um exemplo de coerência?).
4. O que se sabe é que, neste momento, Vítor e Jacinto já chegaram a acordo quanto ao lugar de cada um na lista de deputados à ALR, um a seguir ao outro na "quota masculina", e já chegaram a acordo, um a seguir ao outro, na quota da Madeira para a Comissão Nacional. Jacinto lembrou-se de indicar Duarte Gouveia ou Rui Caetano em lugar elegível? Vítor lembrou-se de Ricardo Freitas ou Jaime Leandro, seus apoiantes? Não - é o que eu digo: o partido sofreu uma metamorfose: passou de PS a PSV!
5. Logo a seguir às eleições, o PS terá o seu congresso ordinário. Alguns dos nomes de que já tenho ouvido falar, não preenchem os requisitos para responder afirmativamente a este pergunta: está preparado para ser candidato a Presidente do Governo? Eu, como cidadão, não apoio um candidato nessas circunstâncias!
6. Quando o PS aceita como candidatos e como líderes personalidades que não preenchem os requisitos para serem candidatos a presidente do governo está a passar a mensagem à sociedade de que não quer ser poder mas que as candidaturas se propõem apenas gerir uns determinados lugares no aparelho do partido e do Estado - no caso do PS, vereações e deputados. E a sociedade diz: a gente compreende e, por isso, também, não vos dá o poder. Aliás, a grande disputa entre Jacinto e Vítor é apenas esta: qual de nós é o primeiro? Nem sequer têm solidariedade com os seus na atribuição de lugares institucionais!
7. E quem será que é responsável por esta situação, pelo facto de o PS deixar de ser partido de poder para ser um loby de mera pressão sobre o poder? Os poderes fácticos!...

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

2 dos nomes indicados pelo PS Madeira para a nova Comissão Nacional do PS





Serrão, actual líder do PS, e Vítor, que criou as condições para a eleição a líder do PS de Cardoso, Serrão (I), e João Carlos Gouveia continuam a integrar a nova Comissão Nacional do PS a eleger no próximo domingo, no sessão de encerramento do Congresso Nacional do PS. Relembro a posição que sempre defendi no interior do Partido: a indigitação, pelo PS Madeira, de nomes para a eleição dos órgãos nacionais deve corresponder a um projecto do PS-Madeira para a Região.